H O T E L inscreve-se num território de errância que dá lugar a situações puramente ópticas e sonoras. Convida à deambulação por um espaço dilatado, como que suspenso num éter luminoso de formas flutuantes num plano horizontal contínuo. O acto de percorrer e a duração desse movimento no espaço da exposição são pontuados por encontros fragmentários, efémeros, interrompidos, com sons e imagens que se materializam em formas diversas.

Convocando a estranheza de um hotel enquanto lugar de passagem que habitamos, o dispositivo expositivo convida à experiência da duração, à imersão na “paisagem imagética e no afecto sonoro deste espaço e deste tempo liminares entre a casa e a viagem, entre a estrangeireidade e a identidade, entre o repleto e o vazio.”

Expandindo a fotografia e a composição sonora, armas de escolha dos artistas que compõe este coletivo, disparam em novas direções numa colaboração alimentada num movimento oscilatório de criação que remete para a prática da montagem cinematográfica.

Este espaço-tempo etéreo adquire um corpo, pela ocupação breve dos corpos que nele mergulham, para o deixarem vago terminada a deambulação. “O espaço líquido e o tempo nocturno são convocados, apelos de várias passagens, dos afectos ritmados que nos atravessam e que percorremos na quietude inquieta dos espaços e tempos que vamos habitando.”

H O T E L será a primeira apresentação de [ih-theer-ee-uh l]. Colectivo fundado na internet por José Miguel Silva e Rossana Mendes Fonseca, persegue um movimento de procura por um plano comum onde o tempo e o espaço se fundem num horizonte sonoro e visual.

Patrícia do Vale
Curadora convidada

Leave a Reply